AvesBelenenses SADBenficaBoavistaBragaChavesFC PORTOFeirenseMaritimoMoreirenseNacionalPortimonenseRio AveSanta ClaraSportingTondelaVit.GuimarãesVitória de Setubal

Você está aqui:Temática Futebol»Scouting»Rúben Dias vs Militão: na realidade, o que os diferencia?
domingo, 21 outubro 2018 23:34

Rúben Dias vs Militão: na realidade, o que os diferencia? Destaque

Escrito por OJOGO - André Morais / Ana Luísa Magalhães
Classifique este item
(0 votos)

Os miúdos ao comando são cenário que os jogos virtuais já previam. Mas e na realidade, o que os diferencia?

Dois miúdos ao comando das defesas de Benfica e FC Porto é cenário que só o "Football Manager 2019" conseguiu antever. Rúben Dias e Éder Militão são promessas reais, mas os scouts virtuais andam um passo à frente dos scouts de verdade.

Já há algumas edições do mítico jogo simulador de treinadores que se ia percebendo que os agora indispensáveis centrais de Benfica e FC Porto estariam na alta-roda em breve. Na edição 2018/19, Rúben e Militão são mesmo, a par de João Félix, os únicos jogadores do campeonato português com o "potencial máximo de desenvolvimento", que, na prática, é um algoritmo que garante, no jogo, que os dois podem atingir o topo do futebol mundial. Ao que parece, por cá, do lado real do futebol, também é assim.

Rúben Dias tem 21 anos e é, na ausência de Jardel, figura incontornável e indispensável na defesa do Benfica. Um ano mais novo, Éder Militão assumiu protagonismo no FC Porto por ter sido o único reforço da era Sérgio Conceição que se assumiu de imediato e do qual já ninguém duvida. A estreia na seleção brasileira e na Champions multiplicou por dez o seu valor: o FC Porto pagou quatro milhões ao São Paulo e vários empresários de elite acreditam que, no mínimo, ele já vale 40 milhões. Entre os dois, é o portista que parte um passo à frente para o jogo de domingo. Foi também com base no simulador de futebol mais conhecido do mundo que escolhemos 14 parâmetros para avaliar os dois jogadores. E como o Benfica-FC Porto tem sido nos últimos anos o clássico mais apetecível do futebol português, ninguém melhor do que o próprio futebol português para avaliar os dois miúdos que mandam nos respetivos sectores. E isso implicou questionar 18 centrais ou ex-centrais (um por cada equipa da I Liga) a propósito do tema, traçar médias e, no final, fazer a comparação.

Éder Militão teve, contas absolutas, notas um pouco superiores. Mas porquê? Acima de tudo, é mais amplo nas suas competências do que Rúben Dias, um central muito mais vocacionado para a dimensão física do jogo. O portista é mais rápido, mais evoluído tecnicamente e melhor nos aspetos relacionados com o posicionamento e o usufruto dele para recuperar bolas. Rúben impõe-se na marcação e terá o espírito de líder já mais desenvolvido, acreditam os 18 pares inquiridos. Éder, por ser mais novo e só agora ter chegado, vai precisar de alguns meses para vincar a personalidade da mesma forma que o benfiquista. E o facto de jogar ao lado de Felipe, com traços muito fortes de personalidade, também o apaga um pouco a esse nível.

A idade tenra evita que algum tenha notas acima dos oito valores em média, embora o defesa do FC Porto tenha ficado muito próximo no item relativo à velocidade e o benfiquista na agressividade. Todos acreditam que os dois são produtos ainda inacabados, apesar de já serem indiscutíveis nas respetivas equipas. Rúben Dias foi o único a conseguir três notas dez, mas também o que conseguiu a pior pontuação parcial: três pontos do drible, votou Pica. Em resumo, um jogador de mais altos e baixos do que Militão, aparentemente mais homogéneo e ligeiramente superior ao rival.

Perder Rúben é uma dor de cabeça maior

Na sequência das notas, colocámos outra pergunta aos especialistas do eixo da defesa: entre Rúben Dias e Éder Militão, qual é o mais imprescindível e porquê? Aqui, a tendência foi esmagadora: 12 dos 16 que aceitaram responder a esta pergunta apontaram Rúben Dias como o jogador cuja eventual ausência conferiria maior impacto à respetiva equipa. Já no entender de André Vilas Boas, Pica e Jorge Andrade, o internacional português é tão imprescindível no Benfica como o internacional brasileiro no FC Porto, e apenas Ávalos se inclina para o portista.

Os motivos para esta discrepância não se prendem tanto com a qualidade de um ou de outro, até porque já vimos que pouca os separa, mas com o contexto que se verifica na equipa orientada por Rui Vitória. "O Rúben Dias é mais imprescindível, não só pela lesão do Jardel, mas também pelo fim da carreira do Luisão", aponta Marco Almeida, antigo central do Sporting, enquanto Paulo Jorge, ex-Braga, afirma que, no Benfica, "não há outro jogador com a liderança, agressividade e segurança que transmite aos companheiros". Por outro lado, Tonel, ex-Feirense, sublinha que "o Diogo Leite começou a época a titular e esteve em bom plano", para sustentar que "é mais fácil substituir o Militão do que o Rúben". Por contraponto, Jorge Andrade lembra que Militão "veio ocupar o lugar do Marcano" e que "tem a vantagem de jogar a lateral".

Não obstante, é legítimo afirmar que todos concordam com Vilas Boas: "O Rúben e o Militão têm um grande peso no sucesso das equipas que representam." E não é à toa que neste momento é deles que mais se fala.

Ler 37 vezes Modificado em domingo, 21 outubro 2018 23:38

Deixe um comentário

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

We use cookies to improve our website and your experience when using it. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

  I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive Module Information