Aves BenficaBoavistaBraga FC PORTO MaritimoMoreirense PortimonenseRio AveSanta ClaraSportingTondelaVit.GuimarãesVitória de Setubal

Você está aqui:Notícias futebol»Sporting vence FC Porto nas grandes penalidades e conquista a Taça de Portugal
domingo, 26 maio 2019 11:11

Sporting vence FC Porto nas grandes penalidades e conquista a Taça de Portugal Destaque

Escrito por
Classifique este item
(0 votos)

O FC Porto começou a ganhar, o Sporting empatou, Dost marcou no prolongamento e Felipe empatou no último minuto. Leões vencem dragões nos penáltis e conquistam a Taça de Portugal.

O Sporting venceu, esta tarde, a Taça de Portugal com uma vitória nos penáltis, depois de um empate a duas bolas frente ao FC Porto.

O jogo chegou aos 90' empatado a uma bola. Aos 101', Bas Dost marcou o golo que muitos pensaram ter decidido a partida mas, no último minuto de jogo, Felipe levou o jogo para as grandes penalidades. Nos penáltis, Renan defendeu o remate de Fernando Andrade e Luiz Phellype levou a Taça para Alvalade.

Se o objetivo era que o jogo oferecesse muita adrenalina, ainda a bola não rolava e já se fazia por isso. Antes do apito inicial, três motas aproveitaram duas rampas colocadas junto ao relvado para, em voo, fazerem um 360º: na última das motos vinha a bola do jogo.

Entrou mais perigoso o Sporting que, nos primeiros minutos, conseguiu conquistar um pontapé de canto e foi trocando a bola no meio-campo portista. Ainda assim, foi Marega quem aproveitou um deslize perigosíssimo de Mathieu para conduzir a bola pelo flanco direito e tirar um cruzamento para a grande área que encontrou Otávio.

O brasileiro rematou, de primeira, da marca de grande penalidade mas encontrou em Renan uma parede que impediu que o nulo fosse quebrado.

Ao ver isto, Bruno Fernandesquis dar um pontapé no nervosismo sportinguista e, aos nove minutos, ensaiava o seu primeiro remate de longe, obrigando Vaná a aplicar-se. Quem não achou piada foi Otávio, que depressa se certificou de que o via o capitão do Sporting neutralizado, acertando-lhe em cheio na canela.

No livre lateral que castigou a falta foi Raphinha quem rematou, mas desta vez a bola passou ao lado. Em 10 minutos, ambas as equipas já tinham registado remates à baliza e obrigado os guarda-redes a aplicar-se: não estava mal para quem foi ao Jamor ver a partida. Isto, claro, excluindo quem ainda não tinha entrado no estádio.

Dos 22 jogadores titulares nesta partida, só um já tinha vencido a Taça de Portugal: Pepe. Talvez por isso aparentasse ser o membro do eixo defensivo mais calmo. Felipe, por outro lado, era fintado por Diaby de forma tão eficaz que cambaleava ao ver o maliano disparar em direção à baliza. Falhou o último passe, mas o FC Porto continuava a ser avisado. E resultou. Em parte.

Momentos depois, Marega introduzia a bola na baliza de Renan. Festejou-se no Jamor, mas Jorge Sousa teve de estragar a festa: o maliano estava fora de jogo. A meia hora de jogo chegou ao Jamor com um nulo no marcado embora, em campo, a vontade de tirar o 0-0 do placard fosse evidente.

Se o FC Porto já tinha conseguido chegar à baliza com sucesso por uma vez, repetiu-o aos 40', desta vez de bola parada. Livre batido da esquerda para o coração da grande área e a bola acaba por sobrar para Herrera. Ao segundo poste, o capitão dos dragões devolveu a bola para o 'barulho' e Soares, nas alturas, marcou o primeiro da partida. Com este golo, o brasileiro marcou o 22.º da época, ultrapassando Marega na lista de melhores marcadores do FC Porto.

O que se seguiu foi uma corrida de Soares até ao banco de suplentes para ir buscar uma camisola em cujas costas se lia "Casillas 1". A dedicatória ao espanhol já tinha sido ensaiada no golo anulado a Marega e, desta vez, aconteceu mesmo. Já o Sporting queixava-se de uma mão de Herrera no momento da receção da bola.

Se as palavras de protesto não resultaram, o Sporting fê-lo dentro do campo. Bruno Fernandes apanhou uma bola perdida à entrada da grande área - cruzada por Acuña - e atirou para o canto inferior da baliza de Vaná, que se limitou a ver a bola entrar. O médio fez o 33.º golo da temporada mas, curiosamente, este foi o seu primeiro golo ao FC Porto.

A jogada ainda foi revista pelo VAR por suspeita de fora de jogo, mas valia mesmo e o jogo chegava ao intervalo empatado a uma bola.

Segunda parte controlada pelo FC Porto

As equipas regressaram ao relvado sem alterações, mas Luiz Phellype esquecera-se de trazer os reflexos para dentro de campo.

Com um minuto de jogo na segunda parte, o brasileiro não foi rápido o suficiente para emendar um cruzamento que tinha vindo da direita, perdendo a oportunidade de colocar os leões na frente do marcador pela primeira vez. Na outra baliza, foi Soares quem, na passada, atirou ao poste da baliza defendida por Renan.

O ponta de lança do FC Porto, que já tinha marcado o seu quinto golo ao Sporting, o quarto com a camisola do FC Porto, era a peça mais perigosa dos dragões no início da segunda parte. Descaído para a esquerda, ia espalhando o caos com a ajuda de Brahimi e Alex Telles.

Quando não era o trio alinhado à esquerda, era Marega quem deixava Mathieu 'nas covas'. O francês apresentou-se muito cansado em campo e acabava por facilitar a vida a Marega, que aos 60' não marcou porque, com Mathieu deitado no relvado, acabou por lhe acertar.

Ciente dos problemas na zona central da defesa sportinguista, Keizer optou por tirar o já amarelado Bruno Gaspar e lançar Ilori no jogo. Acuña subia no terreno, ocupando a ala esquerda e Raphinha assumia a direita.

A alteração fez com que o FC Porto passasse a repensar o tipo de jogo que fazia nas alas. Brahimi optou por fletir mais vezes, procurando jogar no apoio com Soares, enquanto Felipe e Pepe assumiam a construção de jogo já para lá do meio-campo. Para fixar os centrais, Keizer tirou Diaby e lançou Bas Dost.

Wendel, que esteve no centro das atenções durante a semana - foi apanhado a conduzir em contramão e sem carta de condução - fazia uma exibição discreta. Quando tentou dar um pontapé nessa monotonia, quase marcou: tirou Pepe do caminho e rematou cruzado de forma muito perigosa. Vaná teria ficado a olhar.

Quem também ficou a olhar foi Renan, que num passe para Gudelj viu Herrera antecipar-se-lhe. O mexicano rematou de imediato mas, com Renan tão longe da baliza, era pouco o espaço para colocar a bola. Uma desatenção que podia ter saído muito cara aos leões.

A cinco minutos do final do tempo regulamentar, ninguém parecia ser capaz de resolver o jogo. O Sporting apostava no contra ataque perante um FC Porto que controlou a segunda parte por completo mas que falhava por completo nos momentos de definição.

Aos 90+3' ainda houve tempo para polémica no Jamor. Coates corta, com o braço, um passe que isolaria Soares. Depressa a equipa do FC Porto rodeou Jorge Sousa, mas a cartolina ao uruguaio foi a amarela, para desânimo dos homens de Sérgio Conceição. O prolongamento chegava ao Jamor.

Os últimos 30 minutos de jogo cedo fizeram a primeira vítima. Militão deitava-se no relvado e tentava que as suas virilhas - tal como o resto do corpo - continuassem a lutar pela Taça de Portugal. Do outro lado do campo, Mathieu também ia gerindo o esforço, já que a idade não perdoa.

Bas Dost estava em campo mas poucos deram por ele... até aos 101'. Acuña tirou um cruzamento muito largo a partir da esquerda, que desviou em Felipe. À ponta de lança, o holandês apareceu ao segundo poste e, com um só toque, marcou o segundo golo do Sporting. Pela primeira vez os leões estavam em vantagem.Este foi o 23.º golo da época de Bas Dost, o segundo ao FC Porto - o outro tinha sido marcado na final da Taça da Liga.

O prolongamento chegava ao intervalo com o Sporting a vencer por 2-1. No início da segunda parte, Raphinha quase deitou tudo a perder para o Sporting ao para um jogador portista a centímetros da linha da grande área sportinguista.

A segunda parte do prolongamento, à semelhança do que se viu nos segundos 45 minutos, pertencia ao FC Porto. Brahimi tentava tudo para decidir o jogo e ia furando, floreado atrás de floreado, pelo flanco esquerdo, mas faltava pontaria e discernimento na aproximação à baliza.

Bruno Fernandes, que já tinha marcado o seu golo, focava-se agora em defender o resultado. Tanto, que chegou a agarrar Manafá pela cintura numa tentativa in extremis de parar um contra ataque. Deu em amarelo para ambos. E em livre. Erro do Sporting.

Livre a partir do flanco direito enviado para o segundo poste. No último minuto da partida, Felipe aparece a saltar mais alto do que toda a gente e empata a partida naquela que muitos pensariam ser a última jogada da partida. O Jamor ia assistir a um desempate através de grandes penalidades.

Onze do Sporting: Renan, Bruno Gaspar, Coates, Mathieu, Acuña, Gudelj, Bruno Fernandes, Wendel, Raphinha, Diaby e Luiz Phellype.

Onze do FC Porto: Vaná, Militão, Pepe, Felipe, Alex Telles, Otávio, Danilo, Herrera, Brahimi, Marega e Soares

A partida é arbitrada por Jorge Sousa. Os árbitros assistentes serão António Godinho e Nuno Manso, o quarto árbitro será Carlos Xistra. No VAR está Rui Costa.

Fonte: TSF

 

Ler 126 vezes

Deixe um comentário

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

Parceiros Estrategicos:

   WS Consulting  

We use cookies to improve our website and your experience when using it. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

  I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive Module Information